30 anos da morte de Irmã Dulce

Há 30 anos, morte de Irmã Dulce comovia os  brasileiros. 

O Santuário Basílica Sagrada Família viveu e ainda vive momento unicos relacionados a Santa Dulce dos Pobres, participou ativamente do movimento de sua canonização realizando celebrações com programação especial proposta pelo Santuário de Santa Dulce. Tem em seu Relicário a Relíquia de Santa Dulce, fragmento dos ossos de Irmã Dulce, retirada de sua costela. Em 2020 realizou a 1ª Romaria Arquidiocesana de Goiânia ao Santuário Santa Dulce.

“Fui pároco da irmã Dulce durante 10 anos e o que mais impressionava nela era seu amor. Para ela o que mais importava era Deus e o próximo. Uma das coisas mais belas em irmã Dulce é que ela achava que Deus precisava brilhar, Deus precisava aparecer e a sua pessoa devia desaparecer”, afirmou Dom Washington, então Arcebispo de Goiânia, em vídeo gravado por ocasião dos preparativos para a canonização da santa baiana.

Conheça mais a história

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, filha de Augusto Lopes Pontes e Dulce Maria de Souza Brito Lopes, nasceu no dia 26 de maio de 1914, na cidade de Salvador (BA).

Ao tornar-se religiosa na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, passou a ser chamada de Irmã Dulce, em homenagem a sua mãe. Irmã Dulce era popularmente conhecida como o “Anjo bom da Bahia”.

O “Anjo Bom da Bahia”, que dedicou a vida toda a cuidar dos pobres e doentes, encerrou sua missão neste mundo há 30 anos. Agora, intercede por nós junto a Deus como Santa Dulce dos Pobres.

Sofrendo com problemas respiratórios, Irmã Dulce foi internada no dia 11 de novembro de 1990. Deixando-nos grandes lições de vida como a humildade, a caridade, o serviço, a solidariedade e a partilha, motivada pela fé em Cristo e animada por uma vida intensa de oração, faleceu no dia 13 de março de 1992, em sua casa, no Convento Santo Antônio.

Sua beatificação foi realizada no dia 22 de maio de 2011. A celebração reuniu mais de 70 mil fiéis para a coroação da primeira beata nascida na Bahia. A freira passou a se chamar “Bem-Aventurada Dulce dos Pobres”, tendo o dia 13 de agosto como data oficial de celebração de sua festa litúrgica.

No dia 13 de outubro de 2019, em uma cerimônia presidida pelo Papa Francisco, no Vaticano, Irmã Dulce foi proclamada “Santa Dulce dos Pobres”, tornando-se a primeira santa brasileira.

Santa Dulce dos Pobre, rogai por nós!