A simplicidade dos sacramentais em tempo de pandemia

Sem grandes eventos os sacramentos se tornaram um momento ainda mais íntimo entre fiel e Deus

Um católico sem os sacramentos é um católico incompleto. O Padre Gregório Lutzos em uma carta sobre a origem dos sacramentos diz que “os sacramentos não têm sua origem num ato jurídico de Jesus, mas no seu próprio ser. Como Ele é sacramento do Pai e a Igreja é sacramento de Jesus Cristo, assim a Igreja, o sacramento universal, se desdobra nos sete sacramentos”, são eles o batismo, confissão, eucaristia, crisma, casamento, ordem e unção dos enfermos. Mas e quando de maneira inesperada os sacramentos são suspensos por causas maiores? A pandemia do coronavírus devastou cidades, países, suspendeu o contato humano, os sacramentos e abalou a fé de muitos, mas o mundo e a igreja se adaptaram para continuar levando Jesus e restaurar a fé.

No Brasil, a pandemia assola o país há quatro meses. No início, todos os contatos sociais foram proibidos e a igreja e seus fiéis sofreram com a incerteza e com a ausência daquilo que aproxima Deus de nós, os sacramentos. Mas como citado no Salmo 23, “Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam”. A igreja, os fiéis se adaptaram, e, de certa forma, os sacramentos se tornaram ainda mais uma intimidade com Deus. 

No Santuário Sagrada Família os ajustes fizeram com que o impacto da ausência dos sacramentais fosse diminuído. O estacionamento do Santuário se tornou uma extensão, um local santo onde as pessoas faziam as orações e recebiam sacramentos. Nele o espetáculo da Paixão de Cristo deu lugar a uma Via Sacra em que as pessoas passavam pelas 14 estações dos seus veículos. Depois foi feita uma releitura da Via Lucis com as 14 estações. As bênçãos e as confissões ainda são atendidas no local com distanciamento necessário e em segurança. Com a liberação das missas presenciais a igreja reorganizou os horários de missas, se estruturou para respeitar o distanciamento entre cada fiel e fazer a higienização com segurança. Os sacramentos de forma simples, mas com o significado ainda mais grandioso encontraram uma forma de chegar até os fiéis.

O batismo se tornou uma cerimônia modesta com a presença de pais e padrinhos; a confissão um momento ainda mais de intimidade entre o fiel, o padre e Deus; a eucaristia o momento mais sublime de acalento em Cristo; a crisma um momento de confirmação; os casamentos com os pais e testemunhas; a ordem ainda mais necessária para levar Deus aos fiéis e a unção dos enfermos um momento de levar paz depois de lutas em vida. Os sacramentos se adaptaram sem luxos, eventos grandiosos, só um momento entre o fiel, o sacerdote e o padre. Foi na simplicidade do gesto que os sacramentos voltaram. Que a nossa fé seja ainda mais firme e mais espontânea em tempos difíceis.

Maju Souza